Caminhada – À Descoberta de Belém

Belém, a mais ocidental das freguesias de Lisboa, contém no seu território variadíssimos monumentos de interesse histórico e cultural. As pequenas aldeias de Alcolena e do Restelo, núcleos primitivos da freguesia, ganharam progressiva importância com as actividades económicas ligadas ao rio, ao longo dos séculos XIII e XIV. No século XV, o Infante D. Henrique ordenou a construção de uma ermida dedicada a Santa Maria de Belém e, já no século XVI, o rei D. Manuel substituiu a antiga capela pelo majestoso mosteiro onde instalou os frades jerónimos, mandando erguer nas proximidades a Torre de Belém.
Ao longo dos séculos XVII e XVIII, esta área torna-se bastante concorrida pela nobreza, incluindo a própria família real que, após a destruição do Paço da Ribeira pelo terramoto de 1755, se instala na Ajuda e, mais tarde, em Belém. Apesar disso, Belém continuava a ser uma aldeia às portas da cidade, tendo chegado a ser sede de um efémero concelho na segunda metade do século XIX, apenas sendo integrada em Lisboa em 1885. O século XX trouxe o crescimento urbano (com a construção dos Bairros Económicos das Terras do Forno, em 1938 e da Encosta do Restelo, em 1950), mas também as grandes encenações associadas ao duplo centenário da Fundação e da Restauração (com a Exposição do Mundo Português a decorrer na frente ribeirinha de Belém). Mais recentemente, Belém foi também o palco da primeira presidência portuguesa das Comunidades Europeias (com a inauguração do Centro Cultural de Belém em 1992).
Nesta visita, procuraremos traçar uma panorâmica da ocupação humana na área de Belém, desde as suas origens até à actualidade, dando conta dos principais edifícios e monumentos situados nesta área da cidade de Lisboa.

Mais informações:

ohlisboamail@gmail.com
www.facebook.com/ohlisboablog
960 452 371 / 937 707 314
RNAAT Nº 594/2015

Deixe-nos a sua opinião.