Palácios de Lisboa Ocidental_I

Pelos palácios de Lisboa Ocidental I:

De São Bento ao Chiado, passando pela Bica e Santa Catarina

Este percurso pelos Palácios de Lisboa Ocidental leva-nos à primeira zona de expansão e consolidação da cidade, a ocidente do que é hoje a Baixa, envolvendo o espaço exterior da velha «muralha fernandina», e cuja crescente urbanização viria a conduzir à criação de várias paróquias ao longo dos séculos XVI e XVII, destacadas da extensíssima freguesia dos Mártires (que abrangia todo o vasto espaço a poente da cidade): as Chagas de Cristo, em 1547; o Loreto (hoje Encarnação), em 1551; São Paulo, em 1566; Santa Catarina, em 1599; e as Mercês, em 1632.

Começando na Rua de São Bento, onde se ergue o palácio homónimo, um dos símbolos máximos do Estado português (mas que já serviu propósitos tão diversificados como casa de monges beneditinos, sede da Patriarcal, do Arquivo da Torre do Tombo ou das várias assembleias parlamentares do país, desde as Cortes à Assembleia da República), percorreremos a parte mais meridional daquelas antigas freguesias – presentemente repartidas entre as de Santa Maria Maior e da Misericórdia – até chegarmos à Praça do Município, onde se erguem os Paços do Concelho com o seu pelourinho, símbolo do poder municipal. Pelo caminho, encontraremos diversos palácios – desde as velhas residências senhoriais dos séculos XVI e XVII (como os Palácios Almada-Carvalhais, do Conde-Barão de Alvito, dos Condes das Alcáçovas, dos Condes de Mendia, dos Condes de Mesquitela, das Chagas, da Flor da Murta, ou da Valada-Azambuja), os palácios reconstruídos após o terramoto, no final do século XVIII e, finalmente, os palacetes do século XIX, onde se vieram a instalar as famílias da nova aristocracia oitocentista.

Deixe-nos a sua opinião.